Os desejos e medos do Empreendedor

 

A vontade de empreender não está restringida apenas na ação de inserir uma ideia no mercado, na verdade é uma ciência que utiliza ao mesmo tempo parâmetros empíricos e conhecimentos baseados em teorias, estudos e análises gerais de gestão empresarial.

Mas e para o empreendedor, o que significa isto na realidade?

Com certeza ele tem os seus desejos em relação à sua idéia, que precisam ser alcançados, cedo ou tarde, de preferência, mais cedo.

 

Quais os desejos do empreendedor?

  • O desejo de colocar com sucesso a sua proposta empreendedora no mercado, atendendo as expectativas dele e de seus consumidores. As respostas para este desejo muitas vezes não são “sentidas” durante as primeiras semanas de abertura do negócio, mas, sim depois de inúmeros aprendizados com as reações mercadológicas dos clientes e fornecedores.
  • O desejo de obter o reconhecimento comercial e profissional do segmento de mercado escolhido, ou seja, manter o foco em ser “o melhor”.
  • O desejo de reaver o capital investido no menor espaço de tempo possível. Este desejo bastante lógico não deve ser considerado como uma meta para ser atingida amanhã a qualquer custo e forma, mas sim dentro do potencial financeiro e econômico do investidor.
  • O desejo de sentir a satisfação com o desempenho do SEU negócio no mercado, algo que não tem preço, porém difícil e trabalhoso de alcançar. Muitos empreendedores levam anos para obter um “pedacinho de satisfação” com o seu negócio, que representa para o empreendedor muito mais que o retorno do capital investido.

Porém, onde existem conquistas, infelizmente, andam por perto as assombrações, que insistem em perturbar a vida do empreendedor.

 

Quais são os medos que amedrontam o empreendedor?

  • Conseguir acumular apenas dívidas ao longo da abertura do negócio, pois tudo que imaginava acontecer simplesmente não aconteceu.
  • Não conseguir visualizar qualquer chance de retorno do investimento, causado por um faturamento muito inferior ao esperado, atrelado aos custos fixos e variáveis com forte tendência de elevação.
  • Apesar de todos os esforços para conviver com o mercado, simplesmente não consegue o seu reconhecimento, tachado de “careiro”, péssimo atendimento, difícil acesso, dentre outros problemas conquistados ao longo da existência.
  • Perder a oportunidade de ganhar dinheiro com uma boa ideia de negócio simplesmente pela inadequação do gestor em relação ao mercado e ao tempo empresarial (produtos e serviços versos aceitação do consumidor hoje).

 

 

O que pode o empreendedor fazer?

Uma palavra talvez responda:

Planejamento do negócio.

Ser o mais analítico possível, para conhecer os potenciais, as oportunidades e as ameaças do mercado, saber desenvolver o seu negócio voltado às necessidades atuais, futuras e até aquelas ainda ocultas no mercado.

Mas é fundamental aprender a agir no tempo certo, com os instrumentos adequados à sua realidade e a do segmento de mercado escolhido.

 

 

Jorge Luiz da Rocha Pereira

Consultor de Negócios

Anúncios